Chat da Rádio Municipalista Brasil

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Perdoem-me filhas se puderem

Hoje eu via uma criança brincar...brincava feliz envolvida com seus carrinhos,seus bonecos,
suas personagens imaginárias.
Parecia totalmente inserida  no mundo criado  em sua imaginação com heróis,com vilões,que nem via nada a sua volta.
Ledo engano o meu..tentei sair de perto desta criança e ela se deixou   transtornar, o medo estampou-se em seu rostinho angelical.
Tio não  vá,volte o bicho vai me pegar..voltei de repente  e vi que que eu era o suporte para seu mundo criado em sua mente,era   a proteção que o fazia tão confiante,sorridente,
Naquele instante eu era seu herói imaginário,, que dava vida aos outros ali na sua imaginação,feliz fiquei,me senti  útil necessário,mas me fez ver quanto já fui covarde.
Quantas vezes minhas filhas sentiram minha falta?Quantas vezes tiveram medo de bicho?E eu não estava lá,quantas vezes suas mães tiveram que serem paio e mãe?
Eu buscava..buscava,mas buscava o que?Se quem mais precisava de mim deixei para trás?E agora? será possível recuperar?Retornar?será possível?
Como pode ser o adulto assim tão covarde?Como podemos  deixar  as crianças a  mercê dos "bichos",aqueles bichos que nós mesmo criamos para tentar limitar ou dominar suas mentes?
Ah!filhas sei que é tarde, vocês já cresceram,enfrentaram seus "bichos"sem mim,hoje sou eu quem preciso vencer os bichos que criei,o bicho da covardia,da ignorância,da ganancia e agora por ultimo o bicho do arrependimento.
Ah!Mas o pior bicho,o mais feroz,sou eu mesmo,minha consciência, vocês venceram,terei também que vencer e nem posso contar com a compreensão e perdão de vocês,me darão  por mera bondade.

Celio Rheis

sábado, 26 de maio de 2012

Bombas nucleares ou soar de trombetas

Porque tanta aflição?Porque chora coração?Es culpado pela emoção,pela espera no portão porque inventou a paixão?
Sabemos que ela volta,porque tanta revolta,vamos relaxar?Ela sabe que a amamos,virá na hora certa,enfim na hora de amar.
Dizem que devemos,manter a gaiola aberta,todo poeta busca a musa ,toda musa busca o poeta,repito ainda que tão aflito ela virá,na certa.
Quando o amor grita mais alto,explode dentro do peito, você sabe não tem jeito se entregar é preciso,mesmo que esse amor nos faça perder o juízo.
Dói  eu sei essa angustia,desespero de instante,dilacera nosso âmago,oh! pobre coração de amante,mas sei também que com furor iremos fazer amor em um transe delirante.
Ao chegar sedenta,com olhos  de menina,predadora felina me lançar  a sua chama,nem ousarei retrucar só a saberei amar lançando-nos a cama.
Dia, noite, minuto ou mesmo hora,se chego ou vou embora,nada mais faz sentido,só sei flutuar no espaço,envolvido em seus braços,ao ter seu mel bebido.
A  angustia?Onde existia?só conheço alegria  causada pela magia de sua maravilhosa silhueta,sons estranhos ouviremos  serão bombas nucleares?Ou soar de trombetas?

Celio Rheis

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Injeção de vida

Meu néctar divino....de flor celestial,minha fada da magia,minha mulher ideal.
Es pura sedução, indescritível figura,mulher cheia de encanto,de incomparável formosura.
Vivo a cada dia pensando,o que você é para mim,que tamanho poder é esse,
que me transformou assim.
Es o mais belo anjo,que do céu me enviaram ou a mais bela flor que em meu jardim plantaram.
Sei lá é difícil com palavras,te descrever, te traduzir me parece a mais bela pepita aos meus olhos reluzir.
Tu vieste de mansinho,com códigos abertos,palavras que não deixavam duvidas,que eu era o alvo certo.
Sem defesa,sem proteção,sem sequer me dar por mim,quando vi já te amava,estava apaixonado enfim.
Fostes luz,fostes energia,meu amor,minha querida a musa de minhas poesias,minha injeção de vida.
E agora sem vergonha sem medo de ser feliz,sempre digo que te amo pois também sempre o me diz.
Vamos seguir sempre juntos  por estrada colorida,não temo mais a dor,ainda que haja ferida.
Pois tenho sempre seu amor me injetando a vida.

Celio Rheis

terça-feira, 8 de maio de 2012

Depois de voce

Depois de voce....ninguem mais depois de voce,a vida ficou sem graça descolorida depois de voce.
O amor perdeu o sentido,eu fiquei sem rumo perdido,depois de voce,andei sozinho pelas ruas uivei como lobo para a lua, depois de voce.
Ainda estou sem rumo,viver sozinho não me acostumo,vegetar ou viver?não sei mais a diferença depois de voce.
Dizem que devo sair,brincar gritar sorrir,e seu me apaixonar?Outra vez vou sofrer,esse medo está aqui agora, depois de voce.
Ah! Sim olhar outra vez o céu, a lua linda cor de mel,que graça tem tudo isso?Se sou vitma de seu feitiço e nada mais me encanta depois de voce?
E coração,não bate no ritimo certo,parece que está sangrando aberto,é assim depois de voce,meu sorriso é sem graça,a vida simplesmente passa depois de voce.

Celio Rheis

Mulher misteriosa


Mulher misteriosa

Peregrino, cigano sem destino, homem feito, menino, quem sou agora afinal?
Alguém anotou  a placa?Era um carro, um caminhão?Ou apenas um olhar fatal?
Eu que andava sossegado, ansiava ser amado entregar meu coração,
Mas nem sequer imaginava que ali eu encontrava a mais louca paixão.

Ah! Mulher misteriosa, cativante, dengosa, cheia de armas secretas,
Com suave sedução, feitiço de medusa, transformou-se em musa, escravizando o poeta.
Es  a Deusa do amor, Afrodite  de meu sonho ou alucinação.
Já que cativastes, na verdade escravizaste, cuide agora do meu coração.

Minha bandoleira, heroína ou bandida, es aqui a minha vida inteira ao seu dispor.
Receba-me aos seus pés,maravilha de mulher,tome todo meu amor.
Menina desprotegida, tão tenra em sua essência, lembrando adolescência, quando esta na cama.
Mas mulher esplendorosa, vulcão em polvorosa, quando me envolve e me ama.

Não me canso de falar, te amar, te venerar, minha musa minha amada.
Tome pegue minha mão, minha alma meu coração, sigamos a mesma estrada.
Mas encarecidamente, te peço com carinho, nunca me deixe sozinho, ou abandonado.
Sejamos homem e mulher, que se ama,se quer,sejamos amantes e amados.

Minha vida sem sentido ganhou novo colorido, quando eu seus olhos olhei.
Fiquei ate sem ação, perguntei ao coração, será que me apaixonei?
Sim, respondeu o grande músculo, acabou-se o crepúsculo, enfim a aurora chegou.
Pode gritar, com vontade, abraçar a felicidade, porque ai esta seu amor.

Celio Rheis