Chat da Rádio Municipalista Brasil

domingo, 5 de junho de 2011

Tive medo de voce

Tive medo de voce..do que éramos no momento e do que poderiamos ser,medo daquelas palavras que dissemos com emoção,num momento de delirio,arrepios e tesão.
Tive medo do silencio,selado em sua boca,seus olhos revirando,respirando ofegante,com uma expressão de louca.
Ah! como tive vontade de ir muito, muito alem,esquecer todos os medos e me entregar tambem,aceitar o convite,de flutuar no espaço,dominado pelo amor,protegido em seus braços.
Mas minha razão foi mais forte,me mostrou a realidade,só a mim caberia ali, total responsabilidade.
Cairia sobre meus ombros o peso do ato impensado,te tirando da vida menina,transformando-a em mulher,mas pensei no ditado,dois não brigam,se um não quer.
Sabe,não que eu não quizesse,não sentisse nada por ti,só Deus sabe o a força que fiz, para parar tudo ali,me senti passando sêde,com a boca numa fonte,ou mesmo passando fome tendo um banquete defronte.
Tanto tempo se passou,mas lembro de seu olhar,ora olho entreaberto,como que pensasse sonhar,ora perdia o controle e o deixava arregalar,uma menina ainda,mas parecia um vulcão,com um imenso mar de lava,em tamanha ebulição.
Hoje olhando para trás,lembro como um sonho,sendo um tão lindo tema da poesia ou poema que agora eu componho.
Penso que fui privilegiado,por ter sentido os gemidos e sabor de seu suor,mas fui iluminado,para conseguir ter escapado,daquela armadilha de amor.

Um comentário:

Rayo Lunnar disse...

ESTOU COM MEDO

Estou com medo de encontrar o que não procuro,
disseram-me que isso é ficar em cima do muro,
Estou com medo de ouvir palavras ditas por pessoas doces, com a desilusão elas doem mais do que outras por pior que fossem,
Estou com medo dessas energias traiçoeiras,
Há quem quem diga que tudo isso é besteira,
Estou com medo desse mundo que me rodeia, a cada dia vejo que fica tudo mais feio,
Por mais que eu queira enfeitar, os adornos não cabem a onde eu quero colocar,
Queria tanto não conhecer o seu íntimo, sua essência,
assim continuaríamos nessa santa inocência,
De que o nosso ciclo de amizades é um verdadeiro jardim,
Rosas se desabrochando ao ver um garboso jasmim,
Ah! meu Deus quem nos dera que a vida fosse simples assim.

Beth Vianna.